Twitter Facebook Instagram
Para acessar sua área PDO, insira os campos abaixo.

RMC registra novos 8.842 empregos com carteira assinada em novembro

Notícias 04 de janeiro de 2022

Na Região Metropolitana de Campinas (RMC) foram gerados, em novembro de 2021, 8.842 postos de trabalho e, no acumulado do ano, foram criadas 72.766 novas vagas, 9.150,5% acima das 804 eliminadas no acumulado de 2020. Os dados são do Novo CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), avaliados pelo departamento de Economia da Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC). Os destaques, na RMC, foram os segmentos de Indústria, Serviços, Comércio, Construção Civil e Agropecuária que, juntos, geraram 8.842 postos, o equivalente a 100% de todas as vagas criadas no mês.

Em Campinas foram gerados, em novembro deste ano, 3.450 postos de trabalho. No acumulado do ano foram criadas 24.285 vagas com carteira assinada, o que representa 629,78% acima das 4.584 eliminadas no acumulado de 2020. Os segmentos que mais se destacaram no município foram Serviços, Comércio, Construção Civil, Indústria e Agropecuária que, juntos, geraram 3.450 novos empregos no mês. Além de Campinas, as cidades da região que mais admitiram em novembro foram Indaiatuba (3.733 postos), Americana (3.603) e Paulínia (2.490).

O economista e diretor da ACIC, Laerte Martins, destaca que a geração de empregos formais no período acumulado do ano evoluiu. “Está havendo geração de postos de trabalho. Em novembro de 2021 a expansão foi em média 10%, ao mês”, explica Martins. Para o economista, a taxa limita o crescimento do emprego, nesse patamar. “Apesar do plano nacional de imunização estar evoluindo positivamente, as injunções econômicas estão provocando uma elevada taxa de inflação e o crescimento da taxa de juros. Além disso, a crise energética, juntamente com a crise hídrica, e a desvalorização do Real frente ao Dólar, frustram as pretensões de recuperação do emprego e renda para este final de ano. Podemos prever um crescimento lento e mais baixo, e não uma expansão mais arrojada. No entanto, ainda assim, vemos um nível de desemprego em leve baixa”, esclarece  Laerte Martins. Para 2022, o diretor da ACIC acredita que a incerteza na geração de emprego e renda continuará em função, principalmente, da instabilidade econômica e das eleições presidenciais, em outubro, e menos pelos efeitos da pandemia.

Em nível nacional, segundo o Novo CAGED, o emprego formal, com carteira assinada, registrou, em novembro de 2021, um saldo de 324.112 postos de trabalho, resultantes de 1.772.766 admissões e de 1.448.654 desligamentos. “No acumulado do ano, até novembro, foi registrado um saldo de 2.992.898 empregos, quando comparado com o acumulado de outubro. Houve uma expansão de 13,11% na geração de postos de trabalho no País”, afirma Laerte Martins.

Os segmentos que mais geraram postos de trabalho foram: Serviços, Comércio, Indústria, Construção Civil e Agropecuária. “Comparando os meses de novembro e outubro de 2021, verifica-se uma expansão de 28,07% nos volumes avaliados. Apenas os Serviços e o Comércio expandiram em 48,95%. Já a Indústria registrou a maior queda (69,37%), seguida da Agropecuária com (87,32%) e da Construção Civil com (27,56%).

Parceiros

CACB SCPC Certisign ACCREDITO