Twitter Facebook Instagram
Para acessar sua área PDO, insira os campos abaixo.

Empregos formais registraram queda na RMC em março

Notícias 02 de maio de 2022

Na comparação com março de 2021, os postos de trabalho com carteira assinada ficaram 5,08% menores na Região Metropolitana de Campinas. Já em relação a fevereiro de 2022, a redução foi de 40,08%. No acumulado do ano (janeiro a março) a queda no número empregos foi de 26,85% frente ao mesmo período do ano passado

A geração de postos de trabalho na Região Metropolitana de Campinas ficou 5,08% menor em março deste ano, na comparação com março de 2021 (5.106 X 5.379). As únicas atividades econômicas que cresceram no número de admissões foram os Serviços e a Agropecuária. A primeira, em 95,5%, e, a segunda, em 49,4%. A Construção Civil recuou em 86,99%, a Indústria em 76,7%, e o Comércio, em 41,64%, frente a março do ano passado. Os dados são do Novo CAGED, avaliados pela Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC).

Na comparação com fevereiro de 2022, na RMC, todas as atividades econômicas apresentaram queda na geração de postos de trabalho. Em fevereiro, a soma das contratações chegou a 8.521, contra as 5.106 de março, uma redução de 40,08%.

                         

Campinas

Em  Campinas, foram gerados, em março deste ano, 1.627 postos de trabalho, o que representa 55,84% a mais do que os 1.044 postos criados em março de 2021. O setor de Serviços foi o único que expandiu (113,68%). A Agropecuária regrediu em 287,50%; a Construção Civil em 44,13%; o Comércio em 30,23%, e a Indústria em 26,88%, em relação a março de 2021. Já em relação a fevereiro deste ano, apenas a Indústria de Transformação apresentou elevação em Campinas (56,92%). “Avaliando os números no acumulado do ano de 2022, (janeiro a março), constata-se que o primeiro trimestre deste ano gerou 26,85% menos postos de trabalho na RMC, do que o mesmo período de 2021. Em Campinas, a redução na geração de postos de trabalho, no acumulado de 2022, foi de 26,85%”, explica o economista e diretor da ACIC, Laerte Martins.

O economista destaca, ainda, que o salário médio de admissão apresentou uma redução de 2,03% em março, sobre o salário de fevereiro de 2022 (R$ 1.782,57 contra R$ 1.821,29), demonstrando que a média salarial continua em queda. “A qualificação do emprego também permanece abaixo das especificações e necessidades da mão de obra procurada pelas empresas. Para os próximos meses, o cenário quanto a uma eventual expansão da mão de obra é de indefinições, devido à guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que já mostra um impacto negativo no crescimento de mais postos de trabalho, na nossa região e no País”, analisa Laerte Martins.

Nível Nacional

Em nível  nacional, segundo o Novo CAGED, o Emprego Formal com Carteira Assinada, em março de 2022, apresentou um saldo positivo de 136.189 postos de trabalho, decorrente de 1.953.071 admissões e de 1.816.882 demissões. Em relação a março de 2021, o emprego reduziu-se em 26,04%, com volumes em expansão de 12,77% no segmento de Serviços e de 0,16% na Construção Civil. O Comércio demitiu 98,04%, a Indústria 63,80%, e a Agropecuária 466,19%.

Segue link para download das tabelas de estimativa do índice de desempregados/empregados de Campinas e da RMC - https://www.sendspace.com/file/j6m36x

Parceiros

CACB SCPC Certisign ACCREDITO